Ômega 3: a importância da suplementação na gravidez

Cada vez mais, surgem novas pesquisas sobre as necessidades nutricionais na gravidez. Além do ácido fólico, velho conhecido das gestantes (ou tentantes) por reduzir o risco do bebê nascer com espinha bífida e outros problemas no tubo neural, estudos recentes têm mostrado também a importância do ômega 3.

O óleo de peixe já é bastante difundido e sabemos que traz diversas vantagens para a saúde, como prevenção de doenças silenciosas e potencialização da memória. Mas especialistas concluíram que esses ácidos graxos possuem multibenefícios para as gestantes que, na Alemanha, são até obrigadas por lei a consumi-los. Descubra a importância de suplementar ômega 3 na gestação!

Ômega 3 na gestação

A ingestão desse nutriente são importantes tanto para o crescimento saudável do feto, quanto para a saúde da mãe… Não só durante a gravidez, mas na fase de lactação. Ele auxilia no desenvolvimento neurológico e visual do bebê, incluindo a fala/linguagem. Futuramente, evita até problemas como hiperatividade na criança.

Segundo estudos, o ácido docosa-hexaenóico (DHA), tipo específico de ômega 3, é essencial para o desenvolvimento do cérebro do bebê. Quando suplementado corretamente, os recém-nascidos tem um menor risco de sofrer alergias alimentares e eczemas. Outro fator é a diminuição da chance de um parto prematuro reduzir o risco de pré-eclampsia.

A dieta ocidental por si só é carente de ômega 3, que é agravada a partir do momento em que o feto utiliza o nutriente para desenvolver seu sistema nervoso, esgotando o estoque da mãe. Após a gravidez, pode diminuir a incidência de depressão pós parto. Na fase de amamentação, também ajuda na produção de leite materno.

Por que suplementar?

Essa família de ácidos graxos poli-insaturados de cadeia longa é indispensável para a saúde. Porém, não é sintetizada pelo corpo humano, precisando ser consumido pela alimentação ou suplementos. Os mais benéficos são o EPA (ácido eicosapentaenóico) e o DHA (ácido docosahexaenóico) que, apesar de trabalharem juntos no organismo, possuem suas vantagens particulares.

O DHA estimula a sinapse dos neurônios, reduzindo os riscos de doenças cerebrais, evitando demências e, a longo prazo, até mesmo o Alzheimer. O nível de EPA elevado não permite a formação do trombo, prevenindo problemas cardiovasculares e reduzindo o risco de infarto. Suas melhores fontes são os peixes de água fria como sardinhas, atum, salmão, anchovas, arenque e outros. Também podem ser encontrados em alimentos como linhaça e chia.

Mas atenção! O pescado fresco pode conter toxinas ambientais como mercúrio acumulado, por exemplo. Principalmente na gravidez, é importante se atentar à segurança, dando preferência para os suplementos purificados. Você já conhece nosso Óleo de Peixe em Cápsulas? Único com dupla certificação internacional no Brasil, é 10x mais puro que o mínimo exigido pela Anvisa, de alta qualidade e sem agredir o meio ambiente. Entre em contato conosco aqui!

Você pode gostar