BENEFÍCIOS

QUAIS SÃO OS ALIMENTOS RICOS EM ÔMEGA 3

O Ômega 3 é extremamente benéfico para o cérebro e o coração. E vale enfatizar que, não são apenas os peixes que contém um depósito de ômega 3, existem outros alimentos comumente utilizados por nós, que também são ricos nesta substância. Mas quais alimentos são eles?

O ômega 3 é extremamente benéfico para o cérebro e o coração. E vale enfatizar que, não são apenas os peixes que contém um depósito de ômega 3, existem outros alimentos comumente utilizados por nós, que também são ricos nesta substância. Mas quais alimentos são eles? A lista é grande, porém cataloguei alguns que podem facilmente serem incluídos na sua dieta diária.
A linhaça é um respeitável reservatório de ômega 3. Além de ser destaque no seu autovalor nutritivo e rica em fibras, laboratórios estão estudando sua influência no tratamento de câncer de pele e de próstata e, apesar de requerer ainda estudos mais densos para afirmar com exatidão, o cenário é promissor. Tudo isto ocorre porque a semente apresenta um Mix de proteínas.
Outro alimento que vale a pena salientar nesta lista é a Chia. Existem muitos estudos difundidos associando a chia ao emagrecimento. Um dos motivos que fazem da chia uma grande aliada na perda de peso está na sensação de saciedade que a semente propicia. Suas fibras têm um potencial absortivo, capaz de absorver muita água transformando-a em gel. Quando é ingerida, em contato com os sucos gástricos, suas fibras se transformam nesse gel, que aumentam a dilatação do estômago. Esta engrenagem favorece a satisfação alimentar, ocasionando menor ingestão de alimentos.
Outra coisa que quem procura evitar os quilinhos a mais pode encontrar na chia é a diminuição da gordura localizada. Isto mesmo! Essa semente aparentemente inane, mas com uma pluralidade de benefícios, pode também te ajudar na difícil empreitada de evitar aquelas gordurinhas impertinentes que penetram em nós.
Segundo o Site MinhaVida, Um estudo publicado no European Journal of Clinical Nutrition validou uma pesquisa em que onze indivíduos saudáveis consumiram a semente por 12 semanas e obtiveram redução na glicemia após a refeição, ou seja, não houve picos de insulina no sangue, sendo assim, a glicose foi liberada lentamente no organismo. Tal processo evita que a gordura seja acumulada e, por consequência, afasta o excesso de peso. Os participantes do estudo também relataram diminuição do apetite até 120 minutos após o consumo da refeição, diferentemente dos indivíduos que não consumiram a chia, mostrando assim seu efeito no aumento da saciedade.

Você pode gostar